6 de fevereiro de 2008

Castro e Pessanha - poetas portugueses


SAFIRA



“ Morena é minha Amada, morena mas fermosa, como a Esposa do Cântico dos Cânticos. (...)

... Safira lhe chamei, por Safira a conhecem: mas só eu sei o verdadeiro nome dessa que é morena como o incenso, cheirosa como o bálsamo da judéia (...)

Há uma flor, arum dracunculos, flor maravilhosa para a vista, feita dos mais sedosos tecidos, corada das mais finas cores, mas repugnante para o olfacto, porque o seu cheiro é como o cheiro dos cadáveres.

As outras mulheres são para mim como essa flor: se a pelúcia de seus olhos, o veludo de seus cabelos, a seda das suas carnes me tentam e delas me aproximo, logo fujo espavorido, porque sinto o cheiro cadavérico de suas almas.

Há um flor, e desta ignoro eu o nome, que só de noite tem perfume; de dia ninguém a vê, ninguém a sente, mas à noite, ao luar, é tal o seu aroma, tão pertubante e tão subtil, que quem passar junto dela logo é tomado dum delíqui e cai no chão desmaiado.
Tal é a minha Amada (...).


eugénio de castro
EUGÉNIO DE CASTRO, in Jornal do Comércio, 39º ano, nº 11476 (Lisboa, 1892)

fonte: GUIMARAES, Fernando – POÉTICA DO SIMBOLISMO EM PORTUGAL



do mesmo livro copio o seguinte:



LIRISMO FRUSTE II



Foi um dia de inúteis agonias.

Dia de sol, tudo cheio de sol! Dia de sol, inundado de sol!

Fulgia o aço das espadas frias.

Dia de sol, tudo cheio de sol! Dia de sol, inundado de sol!



Foi um dia de falsas alegrias.

Dália a esfolhar-se, o riso seu magoado... Dália a esfolhar seu mole sorriso

Voltavam os ranchos das romarias.

Dália a esfolhar-se, o riso seu magoado... Dália a esfolhar seu mole sorriso



Dia impressível, mais que os outros dias.

Tão lúcido! Tão pálido e tão lúcito!

Difuso de teoremas e teorias... Tão lúcido tão pálido - tão lúcido



O dia fútil, mais que os outros dias!

Sorriam frouxas as ironias...

Tão lúcido! Tão pálido e tão lúcido! Tão lúcido tão pálido - tão lúcido


Camilo Pessanha

CAMILO PESSANHA
, in Ave-Azul, serie 1, fasc.6 (Viseu, 1899)

obs: a coluna à direita é parte de uma possível releitura musical que farei desta obra prima escrita.

Postar um comentário

Pesquisa