7 de agosto de 2006

Sérgio Sampaio

Agora estou vidrado em Sérgio Sampaio( 1947-1994). Vou até usar (hoje!) uma música sua na Reunião de Pais, comemorando, é claro, o dia dos pais que está próximo:

Pobre Meu Pai
por Sérgio Sampaio

Pobre meu pai
Quatro punhos espalhados no ar
Oito olhos vigiando o quintal
E o meu coração de vidro
Se quebrou
Doido meu pai
Sete bocas mastigando o jantar
Sete loucos entre o bem e o mal
E o meu coração de vidro
Não parou de andar
Pobre meu pai
A marca no meu rosto
É do seu beijo fatal
O que eu levo no bolso
Você não sabe mais
E eu posso dormir tranqüilo
Amanhã, quem sabe?
Hoje, meu pai
Não é uma questão de ordem ou de moral
Eu sei que posso até brincar
O meu carnaval
Mas meu coração é outro
Simples, meu pai
Faça um samba enquanto o bicho não vem
Saia um pouco, ligue o rádio, meu bem
Não ligue, que a morte é certa
Não chore, que a morte é certa
Não brigue, que a morte é certa.

Mais info: http://www.mpbnet.com.br/musicos/sergio.sampaio/index.html
Quer ouvir? - Baixe o disco "Eu quero é botar o meu bloco na rua" (que tem a música acima) em:
http://loronix.blogspot.com/2006/06/sergio-sampaio-eu-quero-botar-meu.html



Achei pelo sistema de busca de blogs: http://search.blogger.com/

Descobri também que ele tem um bom (e recente, portanto póstumo...) disco novo produzido por Zeca Baleiro: Cruel
Postar um comentário

Pesquisa