3 de julho de 2007

Tomé

Todo dia é dia de Santo. Todo santo dia. Hoje, 3 de julho, dia de Tomé, o que precisa ver para crer.

Felizes aqueles que não vêem e mesmo assim crêem.

eU, CÉTICO-CÍNICO, mesmo vendo acharia estar louco. É tudo ilusão mesmo.

Lembro-repito aqui dois belos textos. Um do Saramago (em versão poética de Soares Feitosa )e outro do cantor Zé Ramalho - Isto porque há uma lenda de que a figura mitológica indígena de Sumé seria o próprio São Tomé viajando pelo mundo para pagar por sua descrença.



Olha, Tomé, o teu pássaro foi-se embora!

José Saramago (do livro "O Evangelho segundo Jesus Cristo)

Arranjo de Soares Feitosa

Vem aqui, Tomé,

vem comigo até a borda da água,

vem ver-me fazer uns pássaros

com esta lama que colho...

Repara como é tão fácil,

formo e modelo o corpo

e as asas;

afeiçôo a forma da cabeça

e do bico; engasto estas pedrinhas

que são os olhos;

ajeito as penas compridas

da cauda;

equilibro-lhes as pernas e os dedos

e tendo feito

este, faço mais onze;

aqui os tens, um dois, três

quatro, cinco, seis, sete, oito,

nove, dez, onze, doze pássaros

de lama...

Imagina, até, se quiseres,

dar-lhes nomes: este é Simão,

este é Tiago, este é André, este é João, e este,

se não te importas, chamar-se-á

Tomé.

Quanto aos outros vamos esperar

que os nomes apareçam;

os nomes, muitas vezes, atrasam-se

no caminho, chegam

mais tarde...

E agora vê como faço — lanço esta rede

por cima das avezinhas

para que elas não possam fugir, os pássaros..., se

não temos cuidado.

Queres dizer-me que se esta rede

for levantada os pássaros fogem?

Esta é a prova com que querias

convencer-me?

Sim e não!

Como, sim e não?

A melhor prova, mas essa

não é de mim que depende, seria

não levantares tu a rede e acreditares

que os pássaros fugiriam se a levantasses.

São de barro, não podem fugir.

Experimenta! Também Adão,

nosso primeiro pai, foi de barro e tu

descendes dele.

A Adão deu-lhe vida Deus!

Não duvides mais, Tomé! Levanta a rede, eu sou

o Filho de Deus.

Assim o quiseste, assim o terás,

estes pássaros não voarão!

Com um movimento

rápido, Tomé levantou

a rede, e os pássaros,

livres, levantaram vôo, chilreando,

duas voltas

sobre a multidão maravilhada

e desapareceram no espaço.

Disse Jesus:

Olha, Tomé, o teu pássaro

foi-se embora.

E Tomé respondeu:

Não. Senhor, está aqui ajoelhado a teus pés,

sou eu.


Os Segredos de Sumé

Zé Ramalho


Quando as tiras do véu do pensamento
Desenrolam-se dentro de um espaço
Adquirem poderes quando eu passo
Pela terra solar dos cariris
Há uma pedra estranha que me diz
Que o vento se esconde num sopé
Que o fogo é escravo de um pajé
E que a água há de ser cristalizada
Nas paredes da pedra encantada
Os segredos talhados por sumé

Um cacique de pele colorida
Conquistou docilmente o firmamento
Num cavalo voou no esquecimento
Dos saberes eternos de um druida
Pela terra cavou sua jazida
Com as tábuas da arca de noé
Como lendas que vêm do abaeté
E como espadas de luz enfeitiçada
Nas paredes da pedra encantada
Os segredos talhados por sumé

Cavalgando trovões enfurecidos
Doma o raio lutando com plutão
Nas estrelas-cometas de um sertão
Que foi um palco de mouros enlouquecidos
Um altar para deuses esquecidos
Construiu sem temer a lúcifer
No oceano banhou-se na maré
E nas montanhas deflorou a madrugada
Nas paredes da pedra encantada
Os segredos talhados por sumé

Sacrifique o cordeiro inocente
Entre os seios da mãe-d’água sertaneja
Numa peleja de violas se deseja
É que o sol se derrube lentamente
Que a noite se perca de repente
Num dolente piado de guiné
Nos cabelos da ninfa salomé
Nos espelhos de tez enluarada
Nas paredes da pedra encantada
Os segredos talhados por sumé

--- olhe a arte-mensagem que teria sido deixada por Sumé ou Zomé ou (quem sabe?) Tomé. Está lá na Pedra do Ingá:




Postar um comentário

Pesquisa